Inibidores De Tirosina Quinase BCR-ABL

Os inibidores da tirosina quinase BCR-ABL são drogas usadas no tratamento de primeira linha da leucemia mielóide crônica. Mais de 90% dos casos de leucemia mieloide crônica são causados ​​por uma anomalia cromossômica que resulta em uma formação chamada cromossomo Filadélfia. Quando o cromossomo Filadélfia é formado, um gene de fusão chamado gene BCR-ABL é formado durante a translocação. O gene BCR-ABL codifica a tirosina quinase BCR-ABL. Os inibidores da tirosina quinase BCR-ABL atuam inibindo a enzima tirosina quinase BCR-ABL, que é importante na patogênese da leucemia mieloide crônica.

Imatinibe, o primeiro inibidor da tirosina quinase BCR-ABL, foi aprovado pelo FDA em 2001 e colocado em uso. Imatinib são chamados de inibidores da tirosina quinase de primeira geração. Antes dessa data, não havia nenhum medicamento disponível para alterar o curso da leucemia mieloide crônica. Apenas drogas citotóxicas como busulfan, hidroxiureia ou interferon-alfa (rIFN-a) foram utilizadas. É por isso que os inibidores da tirosina quinase BCR-ABL são considerados uma revolução no tratamento da leucemia mieloide crônica.

Em alguns casos, pode desenvolver-se resistência ao Imatinib. Nesse caso, a dose do medicamento pode ser aumentada e trocada por inibidores da tirosina quinase de segunda geração. Acredita-se que os medicamentos de segunda geração tenham menos resistência e intolerância do que o imatinibe. Os medicamentos de segunda geração são nilotinibe, dasatinibe, bosutinibe, bafetinibe e ponatinibe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here