O que é constipação?

A constipação é um problema digestivo caracterizado por movimentos intestinais retardados, três ou menos fezes duras e secas por semana. É um dos problemas digestivos mais comuns. Possui duas formas, aguda e crônica. A constipação que dura várias semanas ou mais é considerada constipação crônica. A constipação aguda, por outro lado, é um tipo de constipação que ocorre ocasionalmente e geralmente dura alguns dias. A constipação crônica deve ser investigada em termos de se é um problema fisiológico subjacente. A constipação aguda é mais frequentemente devido a mudanças na dieta ou rotina ou ingestão insuficiente de fibras.

O que causa constipação?

A constipação ocorre porque o cólon absorve muita água dos resíduos (fezes), o que as resseca, dificultando sua eliminação.

As contrações musculares empurram as fezes do cólon para o reto e, quando as fezes chegam ao reto, a maior parte da água é absorvida, tornando as fezes sólidas. Quando as contrações musculares do cólon são lentas ou fracas, as fezes se movem muito lentamente através do cólon, fazendo com que muita água seja absorvida.

A constipação tem muitas causas. A causa mais comum é a dieta e o estilo de vida, e o problema pode ser eliminado com pequenas alterações. Esses incluem:

  • Mudanças na dieta
  • Ingestão insuficiente de fibra
  • Ingestão insuficiente de líquidos
  • Inatividade
  • Atrasando ir ao banheiro

Em alguns casos, a constipação pode ser causada por problemas de saúde mais sérios. Entre eles estão os seguintes.

  • Pequenos rasgos na pele ao redor do ânus (fissura anal)
  • Congestão nos intestinos (obstrução intestinal)
  • Cancer de colo
  • Estreitamento do cólon (estenose intestinal)
  • Outro câncer abdominal pressionando o cólon
  • Câncer retal
  • Protusão retal da parede posterior da vagina (retocele)
  • Danos aos nervos que controlam as funções do corpo (neuropatia autonômica)
  • Esclerose múltipla
  • Mal de Parkinson
  • Lesão da medula espinal
  • Golpe
  • Incapacidade de relaxar os músculos pélvicos para permitir a evacuação (anismus)
  • Músculos pélvicos que não coordenam adequadamente o relaxamento e a contração (dissinergia)
  • Músculos pélvicos enfraquecidos
  • Diabetes
  • Glândula paratireóide hiperativa (hiperparatireoidismo)
  • Gravidez
  • Hipotireoidismo
  • Hipercalcemia
  • Alguns medicamentos (antiácidos, alguns analgésicos, etc.)

Sintomas de constipação

O padrão normal de evacuação intestinal de cada pessoa pode ser diferente. Alguns indivíduos precisam defecar três vezes ao dia, enquanto outros precisam defecar uma vez a cada dois dias.

No entanto, você pode estar constipado se sentir os seguintes sintomas:

  • Três ou menos evacuações por semana
  • Transmitindo fezes duras e secas
  • Dificuldade ou dor durante a defecação
  • Sensação de saciedade mesmo depois de ir ao banheiro
  • Edema abdominal e dor
  • Experimentando congestão retal

Fatores de risco para constipação

Uma dieta pobre e falta de exercícios são os fatores de risco mais importantes para a constipação. Você também pode estar em maior risco se:

  • Mais de 65 anos: Os adultos mais velhos tendem a ser menos ativos fisicamente, têm doenças subjacentes e se alimentam mal.
  • Estar acamado: Pessoas com certas condições médicas, como lesões na medula espinhal, costumam ter dificuldade para evacuar.
  • Mulheres ou crianças: As mulheres têm episódios mais frequentes de constipação do que os homens e as crianças são afetadas com mais frequência do que os adultos.
  • Grávida: As alterações hormonais e a pressão que seu bebê em crescimento exerce sobre seus intestinos podem causar prisão de ventre.

Diagnóstico de constipação

Além de um exame físico geral e um exame retal, os médicos usam os seguintes testes para diagnosticar a constipação crônica e tentar encontrar sua causa:

  • Exames de sangue: Seu médico pode usar exames de sangue para detectar uma condição sistêmica, como hipotireoidismo ou níveis elevados de cálcio.
  • Raio – X: O raio-X pode ajudar seu médico a determinar se nossos intestinos estão bloqueados e se há fezes ao longo do cólon.
  • Exame do reto e cólon inferior ou sigmóide (sigmoidoscopia): Neste procedimento, o médico insere um tubo flexível e iluminado no ânus para examinar o reto e a parte inferior do cólon.
  • Exame do reto e cólon inteiro (colonoscopia): Este procedimento de diagnóstico permite que seu médico examine todo o cólon  com um tubo flexível equipado com uma câmera.
  • Avaliação da função muscular do esfíncter anal (manometria anorretal): Neste procedimento, o médico insere um tubo estreito e flexível no ânus e no reto e, em seguida, infla um pequeno balão na extremidade do tubo. O dispositivo é então retirado do músculo esfíncter. Este procedimento permite que o médico meça a coordenação dos músculos que você usa para movimentar os intestinos.
  • Avaliação da velocidade do músculo do esfíncter anal (teste de expulsão do balão): Frequentemente usado em conjunto com a manometria anorretal, esse teste mede o tempo que leva para você empurrar um balão cheio de água inserido no reto.
  • Avaliação de quão bem os alimentos passam pelo cólon (estudo do trânsito colônico): Neste procedimento, você pode engolir uma cápsula contendo um marcador radiopaco ou dispositivo de gravação sem fio. O progresso da cápsula através de seu cólon será registrado e visto em raios X durante 24 a 48 horas. Em alguns casos, você pode comer alimentos ativados por radiocarbono e uma câmera especial registrará o progresso desses alimentos marcados (cintilografia). O médico identificará sinais de disfunção muscular intestinal e a velocidade com que os alimentos se movem pelo cólon.
  • Radiografia do reto durante a defecação (defecografia): Durante esse procedimento, o médico espreme uma pasta mole feita de bário em seu reto. Ele então pede que você remova a pasta de bário como se estivesse defecando. O bário aparece nas radiografias e pode revelar claudicação ou problemas com a função e coordenação musculares.
  • Defecografia por ressonância magnética: Durante este procedimento, como na defecografia com bário, o médico aplicará o gel de contraste no reto. Em seguida, será solicitado que você remova o gel como fezes. A ressonância magnética pode visualizar e avaliar a função dos músculos de defecação. Esse teste também pode diagnosticar problemas que podem causar constipação, como retocele ou prolapso retal.

Tratamento de constipação

O tratamento para a constipação geralmente começa com mudanças na dieta e no estilo de vida para aumentar a taxa de evacuação das fezes. Se essas mudanças não ajudarem, seu médico pode recomendar medicamentos ou cirurgia.

Mudanças na dieta e no estilo de vida

Seu médico pode sugerir as seguintes mudanças para aliviar sua constipação:

  • Aumente a ingestão de fibras: Adicionar fibras à dieta aumenta o peso das fezes e acelera sua passagem pelos intestinos. Gradualmente, comece a comer mais frutas e vegetais frescos a cada dia. Escolha pães integrais e cereais. Seu médico pode recomendar uma certa quantidade de fibra para consumir todos os dias. Em geral, tente ingerir 14 gramas de fibra para cada 1.000 calorias em sua dieta diária. Um aumento repentino na quantidade de fibra que você ingere pode causar inchaço e gases, então comece devagar e trabalhe até atingir sua meta em algumas semanas.
  • Pratique exercícios na maioria dos dias da semana: A atividade física aumenta a atividade muscular do intestino. Tente fazer exercícios na maioria dos dias da semana. Se você ainda não está se exercitando, converse com seu médico sobre se você é saudável o suficiente para iniciar um programa de exercícios.
  • Não ignore a vontade de defecar: Reserve um tempo para ir ao banheiro, não demore quando sentir necessidade de defecar

Remédios para constipação

Quando as mudanças na dieta e no estilo de vida não são suficientes, seu médico pode recomendar os seguintes medicamentos:

  • Suplementos de fibras: Os suplementos de fibras aumentam as fezes. As fezes volumosas são mais macias e mais fáceis de passar. Os suplementos de fibra incluem psyllium, policarbófilo de cálcio, maltodextrina e metilcelulose.
  • Estimulantes: Estimulantes como bisacodil e senosídeos fazem com que seus intestinos se contraiam.
  • Laxantes osmóticos: Os laxantes osmóticos ajudam as fezes a se moverem através do cólon, aumentando a secreção de fluido do intestino e ajudando a estimular os movimentos intestinais. Os exemplos incluem hidróxido de magnésio oral, citrato de magnésio, lactulose, polietilenoglicol.
  • Lubrificantes: Lubrificantes como o óleo mineral ajudam as fezes a passarem mais facilmente pelo cólon.
  • Amaciantes de fezes: Amaciantes de fezes, como docusato de sódio e docusato de cálcio, hidratam as fezes retirando água dos intestinos.
  • Enemas e supositórios: Os enemas podem ser úteis para amolecer as fezes e evacuar. Supositórios de glicerina ou bisacodil também fornecem lubrificação e estimulação, ajudando a remover as fezes do corpo.
  • Medicamentos que puxam água para o intestino: Vários medicamentos prescritos estão disponíveis para tratar a constipação crônica. Lubiprostona, Linaclotida e Plecanatida atuam puxando água para o intestino e acelerando o movimento das fezes.
  • Receptores da serotonina 5-hidroxitriptamina 4: A prucaloprida ajuda a passar as fezes pelo cólon.
  • Antagonistas do receptor opioide mu de ação periférica: Se a constipação for causada por analgésicos opioides, medicamentos como naloxegol e metilnaltrexona revertem o efeito dos opioides no intestino para mantê-lo em movimento.

Gerenciando seus músculos pélvicos

O treinamento de biofeedback envolve trabalhar com um terapeuta que usa dispositivos para ajudá-lo a aprender a relaxar e contrair os músculos da pelve. Relaxar os músculos do assoalho pélvico no momento certo durante a defecação pode ajudá-lo a evacuar com mais facilidade.

Durante uma sessão de biofeedback, um tubo especial (cateter) é inserido em seu reto para medir a tensão muscular. O terapeuta o orienta através dos exercícios para relaxar e contrair alternadamente os músculos pélvicos. Uma máquina mede a tensão muscular e usa sons ou luzes para ajudá-lo a saber quando está relaxando os músculos.

Operação

Se você já tentou outros tratamentos e sua constipação crônica é causada por um bloqueio, retocele ou estenose, a cirurgia pode ser uma opção.

A remoção cirúrgica de parte do cólon pode ser uma opção para pessoas com movimento anormalmente lento das fezes no cólon, para pessoas que tentaram outros tratamentos e não tiveram sucesso. A cirurgia raramente é necessária para remover todo o cólon.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here