O que é glioblastoma?

O glioblastoma é um tipo muito agressivo de tumor cerebral. O glioblastoma multiforme, também conhecido como GBM ou GBM4, é o tipo mais comum de tumor cerebral maligno em adultos. Geralmente é muito agressivo, o que significa que pode crescer rapidamente e se espalhar rapidamente. No entanto, raramente pode se espalhar para outras partes do corpo.

Glioblastoma é o nome geral de um grupo de tumores chamados astrocitomas. Esses tumores começam com astrócitos. Astrócitos são células em forma de estrela que alimentam e sustentam células nervosas (neurônios) em seu cérebro. 

O que é astrocitoma grau 4 (glioblastoma)?

Existem células nervosas chamadas neurônios que fornecem condução por todo o cérebro e medula espinhal. Existem estruturas chamadas células da glia que cercam nossos neurônios. As células da glia fornecem oxigênio e nutrientes aos nossos neurônios e também removem as células mortas.
Existem diferentes tipos de células gliais, cada uma com uma função diferente. Estes são os principais tipos de astrócitos, oligodendrócitos e células ependimárias.

Tumores cerebrais podem se desenvolver a partir de qualquer um desses tipos de células gliais. (Gliomas são o nome coletivo desse grupo de tumores.)

No entanto, os gliomas são nomeados de diferentes maneiras, dependendo de qual tipo de célula glial eles crescem. Os tumores cerebrais serão chamados
astrocitomas se se desenvolverem em astrócitos, oligodendrogliomas se se desenvolverem em oligodendrócitos e tumores de ependimoma se se desenvolverem em células ependimárias.

Astrocitomas são o tipo mais comum de glioma.
Os astrocitomas são divididos em 4 grupos de acordo com a forma de desenvolvimento de tumores:

  • pilosite astrocítica (Grau 1)
  • astrocitoma de baixo grau (Grau 2)
  • astrositom anaplásico (Grau 3)
  • glioblastoma (astrositom grau 4)

encenação

Os tumores cerebrais são classificados entre 1 e 4 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de acordo com seu comportamento, taxas de crescimento e probabilidade de propagação.

As séries 1 e 2 são de baixo grau, crescem lentamente, têm menor probabilidade de se espalhar para outras partes do cérebro e menores taxas de recorrência. Totalmente removível. Às vezes, são chamados de benignos, mas isso é enganoso, pois pode causar sérios problemas ao criar pressão ou congestionamento onde eles crescem.

As séries 2 e 4 são altamente graduadas, crescem rapidamente e se espalham para outras partes do cérebro. As taxas de recorrência são altas e têm maior probabilidade de recorrência, mesmo que completamente removidas. Eles são freqüentemente chamados de malignos ou cancerígenos.

Espécies de glioblastoma (astrocitoma grau 4)

Existem dois tipos principais de glioblastoma:

  • Um exemplo de (novo) glioblastoma.
  • Glioblastoma secundário 

Um exemplo de (novo) glioblastoma

O glioblastoma primário é um tipo de glioblastoma que se desenvolve no cérebro e pode se espalhar para várias partes do corpo. O glioblastoma primário se desenvolve muito rapidamente e pode se espalhar muito rapidamente. A doença pode se desenvolver completamente dentro de um curto período de 3 meses após uma triagem indetectável. A maioria dos glioblastomas são glioblastomas primários.

Glioblastoma secundário

O glioblastoma secundário é menos comum e cresce mais lentamente. Geralmente começa com um astrocitoma de baixo grau e menos agressivo (astrocitomas difusos de grau 2 ou astrocitomas anaplásicos de grau 3). Apresenta um prognóstico ligeiramente melhor que os glioblastomas primários.O glioblastoma secundário pode se transformar em glioblastoma primário. A transformação também pode começar em menos de 1 ano e pode levar mais de 10 anos. Mas quando a transformação ocorre, a doença progride muito rapidamente. É mais comum em jovens.

O que causa glioblastomas?

A causa dos glioblastomas ainda é desconhecida. Para determinar as causas do desenvolvimento de glioblastomas, a pesquisa sobre alterações genéticas e moleculares nas células continua intensivamente.

Nossas células normais crescem, se dividem e morrem. Os sinais em nossos genes controlam esse processo. A perturbação nesses sinais é chamada de mutação. Mutações nos genes podem fazer com que as células cresçam incontrolavelmente, se dividam de maneira diferente do que deveriam e não morram no momento em que devem morrer. Nesse caso, ocorrem tumores.

Como resultado das pesquisas, houve progresso na descoberta de alguns genes que podem dar uma idéia sobre glioblastomas. Nos anos seguintes, quando mais informações sobre esses genes estiverem disponíveis, novos tratamentos e métodos de prevenção de doenças serão possíveis.

Sintomas de glioblastoma

O glioblastoma causa sintomas quando exerce pressão sobre partes do cérebro. Se o tumor não for muito grande, você pode não ter nenhum sintoma. Quais sintomas você possui depende da localização do tumor no seu cérebro.

Os sintomas podem incluir:

  • dores de cabeça
  • náuseas e vômitos
  • sono
  • fraqueza de um lado do corpo
  • perda de memória
  • problemas com fala e linguagem
  • mudanças de personalidade e humor
  • fraqueza muscular
  • visão dupla ou visão turva
  • perda de apetite
  • convulsões

Diagnóstico de glioblastoma

O seu médico primeiro escutará suas queixas e depois examinará você. No caso de tumor cerebral, o exame neurológico e o exame do fundo são realizados principalmente. Neste exame, seu médico verificará sua força muscular, reflexo, coordenação, memória e procurará evidências de aumento da pressão intracraniana ou de outros marcadores tumorais, examinando sua base com uma luz. Após o exame, seu médico poderá solicitar alguns exames. Esses testes estão listados abaixo.

Visualização

Métodos de imagem, como ressonância magnética ou tomografia computadorizada, são usados ​​para monitorar tumores. A ressonância magnética e a TC são os testes mais comuns e confiáveis ​​para o diagnóstico de tumores.

Biopsia

Se o tumor for detectado como resultado de exames de imagem, o tumor será removido cirurgicamente e o exame patológico será realizado para determinar o tipo de tumor. Em alguns casos, a biópsia é combinada com a cirurgia, que faz parte do tratamento. Este método visa remover o maior número possível de tumores, em vez de remover apenas uma parte do tumor. Esse processo é chamado de craniotomia.

Biobanking

Neste método, uma parte do seu tumor é armazenada em condições apropriadas. Esta amostra armazenada foi usada em novos ensaios clínicos, vários ensaios para investigar doenças. O armazenamento da sua amostra de tumor economiza um tempo muito importante na descoberta de um novo medicamento, para determinar se você é o candidato certo para usar o medicamento. Isso só pode ser feito em um pequeno número de centros com o equipamento e as licenças necessárias.

Testes laboratoriais

Após biópsia ou cirurgia, as células do tumor são examinadas em laboratório por um neuropatologista.
O neuropatologista examinará as células e procurará características específicas das células.
No glioblastoma, ele procura:

  • Células gliais de forma ou propriedades incomuns (chamadas células gliais anaplásicas)
  • Células em rápida divisão (chamada atividade mitótica)
  • Presença de estruturas vasculares novas e extensas que permitem que o tumor cresça mais rapidamente
  • Áreas de morte celular não controlada (chamada necrose celular)

Se estes forem encontrados, o diagnóstico será glioblastoma.

Nesse exame, as características de outros tipos de tumor podem ser vistas. Em tais tumores de células mistas, o diagnóstico é feito em relação às células tumorais de grau mais alto.

Teste de biomarcador

Este é um teste no qual os médicos procuram mudanças em certos genes. Esses marcadores são importantes para o quão bem você responde ao tratamento.
Para pessoas com glioblastoma, existe um teste de biomarcador chamado MGMT. Este teste pode lhe dar uma idéia de quão bem você responde a um medicamento chamado temozolomid. Pessoas com um marcador genético apropriado, chamado metilação MGMT, têm melhores taxas de sobrevivência.

Tratamento com glioblastoma

O glioblastoma pode ser difícil de tratar. Ela cresce rapidamente e tem saliências semelhantes aos dedos que dificultam a remoção da cirurgia do cérebro. Esses tumores também contêm muitos tipos diferentes de células. Alguns tratamentos podem funcionar bem em algumas células, enquanto outros podem não funcionar bem.

O tratamento do glioblastoma geralmente inclui:

  • remova o tumor o máximo possível por cirurgia
  • radiação para matar as células cancerígenas restantes após a cirurgia
  • quimioterapia com a droga temozolomida (Temodar)

Outros medicamentos que podem ser usados ​​para tratar esse câncer incluem:

  • bevacizumabe (Avastin)
  • Polifheprosano 20 (Gliadel) com implante de carmustina
  • lomustin (Ceenu)

Novas terapias para o glioblastoma estão sendo testadas em ensaios clínicos. Esses tratamentos incluem:

  • Imunoterapia – Usando o sistema imunológico do seu corpo para matar células cancerígenas
  • terapia genética – fixação de genes defeituosos no tratamento do câncer
  • terapia com células-tronco – usando células precoces chamadas células-tronco para tratar câncer
  • tratamento com vacina – fortalece o sistema imunológico do seu corpo para combater o câncer
  • medicina personalizada – também chamada terapia direcionada

Se esses e outros tratamentos forem aprovados, eles podem melhorar a aparência das pessoas com glioblastoma nos próximos dias.

Sobrevivência ao glioblastoma

O tempo médio de sobrevida com glioblastoma em pacientes submetidos a cirurgia, quimioterapia e radioterapia é de 15 a 16 meses. 

Os médicos geralmente não conseguem prever a expectativa de vida de alguém com glioblastoma. A idade de uma pessoa, as características do tumor e o estado geral de saúde desempenham um papel na sobrevivência. Embora existam poucos, há pessoas vivendo com glioblastoma há mais de 5 anos.

Taxas de sobrevivência para glioblastoma:

  • Um ano: 40,2%
  • Dois anos: 17,4%
  • Cinco anos: 5,6%

Crianças

Crianças com tumores de alto grau tendem a sobreviver mais que os adultos. Cerca de 25% das crianças com glioblastoma vivem por cinco anos ou mais.

Extensão da vida

Novos tratamentos aumentam ainda mais a expectativa de vida. Tumores  MGMT  pessoas com marcadores genéticos apropriados, chamado metilação tem melhor sobrevida.

MGMT é  um gene que repara células danificadas. Quando a quimioterapia mata células de glioblastoma, o  MGMT as  corrige. A  metilação da MGMT impede esse reparo e permite que mais células tumorais sejam mortas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here